Ir para o conteúdo

O Poder do poder: operação produção e a invenção dos “improdutivos” urbanos no Moçambique Socialista, 1983-1988 de Carlos Quembo Colecção de livros «Regards croisés França-Moçambique»

O Centro Cultural Franco-Moçambicano e a Associação franco-moçambicana de Ciências sociais e humanas, em parceria com a Embaixada de França em Moçambique e a Alcance Editores, acolheram, no dia 19 de Abril de 2017, às 18h, o lançamento do livro O Poder do poder: operação produção e a invenção dos “improdutivos” urbanos no Moçambique Socialista, 1983-1988, da autoria de Carlos Quembo.

O Poder do poder: operação produção e a invenção dos “improdutivos” urbanos no Moçambique Socialista, 1983-1988, faz parte da colecção de livros «Regards Croisés França-Moçambique» lançada pela Embaixada de França e Alcance Editores. Os primeiros dois livros da mesma colecção foram publicados em Maio de 2016. O objectivo da colecção é a publicação anual de trabalhos de pesquisa moçambicanos e franceses sobre Moçambique e a sua região. Desta vez, publica-se uma tese de mestrado defendida no Instituto de estudos políticos de Bordéus.
Com ênfase em sociologia política e particularmente no processo da produção social de políticas, O poder do poder traz uma outra interpretação, das várias existentes, sobre a Operação Produção (1983). Longe do discurso político que sugere uma ligação entre esta medida e a necessidade política e económica de tornar ’produtivos’ e úteis à sociedade os ’improdutivos’ urbanos, sem menosprezar o aspecto racional (no sentido sociológico do termo) e o valor do discurso político, aqui procurar-se-á mostrar que é mais a construção social, a representação, a percepção e o sistema de referênciais sobre os ’improdutivos’, partilhadas no seio da Frelimo, nos anos 1980, que leva à Operação Produção e ao seu modus operandi.

Baseado em entrevistas, em documentos de imprensa escrita da época, principalmente do jornal Notícias e da revista Tempo, a literatura estrangeira e nacional acessível, directa ou indirectamente relacionada com o objecto de estudo, no cruzamento de métodos da ciência política e da sociologia histórica da política, este estudo pretende ser uma contribuição à literatura sobre a trajectória política do Moçambique pós-colonial.

A cerimónia de lançamento da obra foi bastante concorrida e contou, entre outras, com a presença do Embaixador da França em Moçambique, sr. Bruno Clerc, o conselheiro cultural da Embaixada da França, sr. Gilles Roulland, o director do Centro Cultural Franco-Moçambicano, sr. Marc Brébant. A apresentação do livro esteve a cargo do Professor Colin Darch, da Universidade do Cabo, tendo de seguida o autor do livro, Carlos Quembo, feito a sua intervenção. À intervenção do autor do livro seguiu-se uma secção de perguntas e resposta, bastante participativa, que mostrou o interesse pelo tema abordado no livro.

O Carlos Quembo fez varias entrevistas na televisão (STV, TIM, TVM) e na radio para uma maior divulgação do seu livro.

Sobre o autor
Carlos Domingos Quembo, nascido na cidade da Beira em 1979 é docente na Faculdade de Letras e Ciências Sociais, na Universidade Eduardo Mondlane, desde 2004. É licenciado em história da África Austral pela UEM e fez o mestrado em ciência política no Instituto de Estudos políticos de Bordéus (França), com especialidade em política e desenvolvimento nos países em vias de desenvolvimento. Encontra-se de momento a fazer doutoramento na Universidade de Oxford. As suas pesquisas abordam os processos de construção de políticas de desenvolvimento, continuidades e descontinuidades nas percepções dos fenómenos sociais, que influenciam os processos decisórios, a pobreza e o papel dos actores políticos na construção de políticas públicas. Estuda também as dinâmicas da urbanização na região da África Austral.

O seu sítio contém fóruns por assinatura; os visitantes são convidados a registar-se no sítio público.